Os benefícios tecnológicos das fechaduras eletrônicas nos projetos residenciais e corporativos

A liberdade de não carregar as chaves, a garantia de uma segurança mais efetiva aos imóveis e o controle de acesso despontam entre as principais vantagens, conforme apontam profissionais de arquitetura de interiores

Os benefícios tecnológicos das fechaduras eletrônicas nos projetos residenciais e corporativos
Neste apartamento projetado pelo arquiteto Bruno Moraes, a independência com relação às chaves contou positivamente para o casal de moradores com intensa vida social | Projeto: Bruno Moraes (BMA Studio) | Foto: Guilherme Pucci

Lá no passado as chaves eram enormes e com o tempo foi diminuindo. Mas ainda assim, o transtorno de esquecer ou perdê-las rende muitos desconfortos para os moradores que, em tantas ocasiões, precisam solucionar a impossibilidade temporária de entrar em casa sem elas.

É por isso que, cada vez mais, uma solução tecnológica tem se ampliado nos projetos de arquitetura de interiores: as fechaduras eletrônicas“Quando eram novidade no Brasil, os preços não eram convidativos, porém o cenário mudou e a diversidade de modelos oferecidos pelos fabricantes deixaram o recurso bastante acessível”, diz o arquiteto Bruno Moraes, grande entusiasta da substituição dos modelos tradicionais pelas versões digitais. Ainda de acordo com o profissional à frente do BMA Studio, essa opção aprimora a qualidade de vida dos moradores, tanto pela inconveniência do extravio das chaves, a dificuldade de acesso e outra questão absolutamente pertinente: a segurança.

Uma expressiva mudança de hábitos

Pouco a pouco, os imóveis oriundos de novos empreendimentos residenciais, vem ganhando o novo estilo de fechadura. “Eu gosto de propor essa possibilidade aos clientes que estão realizando comigo o projeto de arquitetura de interiores”, afirma a arquiteta Cristiane Schiavoni.

Liberdade e segurança são atributos que diminuem o número de preocupações cotidianas de quem adota pelo sistema. Em sua visão, a chave como ainda conhecemos, se configura como o meio de abertura menos eficiente. “Além da tranquilidade de poder sair de casa sem as chaves no bolso, o morador se exime do medo da entrada de pessoas mal intencionadas”, esclarece Cristiane.

Além das moradas, a arquiteta Cristiane Schiavoni argumenta sobre a versatilidade das fechaduras eletrônicas no universo corporativo. No projeto de seu escritório, a versão instalada por ela mantém um registro sobre o ir e vir dos colaboradores e, por estar conectada à rede Wi-Fi, permite o alcance remoto em situações de ausência prolongada. | Foto: Carlos Piratininga

Outros aspectos práticos da fechadura eletrônica estão relacionados à autonomia que o proprietário exerce sobre o acesso das pessoas – tanto em casa, quanto no trabalho. O conhecimento dos horários de entrada e saída, com senhas e digitais individuais para cada colaborador, permite que o sistema seja habilitado, por exemplo, somente nos dias e horários habilitados para o exercício das atividades profissionais. “E para diminuir a inquietação dos pais sobre a rotina dos filhos, é possível saber o horário que chegam em casa”, revela a arquiteta e mãe.

O que fazer para contar com as vantagens da fechadura eletrônica?

Para contar com esse tipo de automação residencial, o arquiteto Bruno Moraes indica o suporte técnico de profissionais especializados no preparo do imóvel para o seu funcionamento. Segundo ele, esse passo, ainda na etapa de execução do projeto de reforma, é crucial para adequar os dispositivos e assegurar que tudo esteja compatível com as melhorias propostas. “Quando o morador decide pela fechadura eletrônica e não está envolto em obras, é comum existir a demanda por adaptações necessárias para o equipamento, a segurança e o bem-estar dos usuários”, detalha.

Quais os principais modelos da fechadura digital?

Com o avanço tecnológico, o mercado dispõem de versões com a abertura por meio de senha, biometria, comando remoto e por reconhecimento facial, entre outras. A escolha é um aspecto que demanda a avaliação desde a fase inicial do projeto e, conforme as instruções do arquiteto Bruno Moraes, é preciso determinar, com precisão, antes do início da obra, os locais onde esses equipamentos serão instalados.

As fechaduras eletrônicas deste apartamento se integram às assistentes virtuais como Alexa ou Google Home, aprimorando a experiência de automação residencial dos moradores | Projeto: Bruno Moraes (BMA Studio) | Foto: Guilherme Pucci

Mais avançadas, as versões via internet e aplicativos são atualmente consideradas as mais modernas e completas do mercado. “Como as pessoas estão mais conectadas às tecnologias, a tendência é que aconteça uma migração para sistemas mais avançados como esses” relaciona o profissional. Nesse tipo de inovação, é factível estabelecer interações à distância, como quando um prestador de serviços necessita de acesso imediato ao local. Por meio do aplicativo instalado no smartphone, mesmo fisicamente distante o morador possui a capacidade de supervisionar e controlar, dispensando o cadastramento de novas digitais ou senhas.

Adicionalmente, é relevante mencionar que muitas dessas fechaduras incluem sistemas de alarme de segurança. Portanto, ao realizar a seleção, os arquitetos aconselham verificar as informações técnicas fornecidas pelo fabricante.

A instalação vale a pena?

Há alegações de que as fechaduras eletrônicas, em seu estágio inicial, implicam em custos significativos. Entretanto, é determinante considerar o valor como um investimento que entrega inúmeras conveniências na vida cotidiana, ao mesmo tempo que contribui para uma casa mais inteligente. A arquiteta Cristiane Schiavoni aproveita para esclarecer que um cuidado imprescindível para o bom funcionamento do recurso é monitoramento a bateria, uma vez que estando baixa, pode prejudicar a passagem.

Outra vantagem oferecida neste apartamento assinado pela arquiteta Cristiane Schiavoni é a facilidade para que a diarista possa entrar e realizar suas atividades. A fechadura eletrônica fornece um relatório detalhado que compila todos os registros movimentação e, de acordo com ela, essa funcionalidade demonstrou ser de grande importância e apreço os moradores desse apartamento| Foto: Divulgação

E a instalação?

Conforme explana Cristiane, cada modelo demanda uma infraestrutura específica. Fechaduras eletrônicas que operam com senhas ou sistemas biométricos não requerem uma infraestrutura distinta e podem ser instaladas diretamente na porta, sem necessidade de modificações adicionais. Entretanto, no caso de uma fechadura integrada com sistema de câmera, sem conexão com a internet, o planejamento é essencial para idealizar soluções para a funcionalidade em conjunto.

BMA Studio

(11) 2062-6423

@brunomoraesarquiteturastudio