Espetáculo “Se A Memória Não Me Falha” estreia no Guaíra

Jheny Goll e Fábyo Rolywer encenam a peça Se A Memória Não Me Falha_Crédito Mauri Rocha

Montagem inédita faz estreia nacional, no dia 29 de fevereiro, e segue em curtíssima temporada, no simpático Miniauditório; Peça revela jornada absurda de personagens que perdem a memória

Absurdo, perda de memória, conflitos, tudo isso com uma pitada de humor e entretenimento na medida certa. Essa é a proposta do espetáculo “Se A Memória Não Me Falha”, que faz estreia nacional, no próximo dia 29 de fevereiro, a partir das 20h, no simpático Miniauditório Glauco Flores de Sá Brito, no Centro Cultural Teatro Guaíra (Centro).

O espetáculo, que revela ingredientes importantes para uma receita de sucesso, faz uma curtíssima temporada até 10 de março, sempre de quinta a domingo (vide horários ao fim do texto). A peça já está com ingressos à venda para o início de uma trajetória, que traz uma ficha técnica robusta e artistas indicados ao Troféu Gralha Azul em 2023 (maior premiação do teatro paranaense).

A montagem mostra a jornada absurda de dois personagens que perdem a memória de forma misteriosa em uma noite chuvosa. Impossibilitados de saírem de casa, ao longo da narrativa, eles desenham gradativamente um objetivo: bolar estratégias para recuperarem suas lembranças e descobrirem quem são.

“Se A Memória Não Me Falha” é uma obra inédita do gênero Absurdo com autoria e atuação de Fábyo Rolywer (indicado ao Troféu Gralha Azul de Melhor Ator 2023) e Jheny Goll. A direção é de Leo Campos (indicado ao Troféu Gralha Azul de Melhor Direção 2023) e produção da Na Real Cultural.

“O Absurdo é um gênero que aborda nossas fragilidades diante do outro e do mundo, a falta da comunicação real, a falta de ideologia, a alienação social, a busca do sentido. Passam dias, anos e décadas e o mundo ainda enfrenta crises existenciais como solidão e angústia. Esse gênero traz diante do riso filosófico uma profunda reflexão e por isso, continua sendo de máxima importância”, explica Jheny Goll, atriz e autora do espetáculo.

Espetáculo é inspirado no gênero Absurdo_Crédito Maurii Rocha

Resgatando o estilo e a narrativa de um dos maiores gêneros do século XX, a encenação, inspirada na obra de importantes dramaturgos do gênero (Èugene Ionesco, Samuel Becket, Fernando Arrabal, entre outros), tem o intuito de fazer o espectador refletir de forma descontraída sobre as fragilidades humanas, seus valores morais e psicológicos. A trama é um convite de como lidar com um mundo de situações e indivíduos ‘(des)conhecidos’.

Para Fábyo Rolywer, ator e autor da montagem, a peça traz profundas reflexões as quais o espectador confere o desenrolar da trama com a possibilidade de perceber as inúmeras situações conflituosas, que vão extrair boas risadas do público, acredita Rolywer.

“O isolamento social pandêmico, a guerra, a política e a economia nos remeteram a dias de solidão, desesperança e interrogações sobre o futuro, tal como a época do surgimento do Teatro do Absurdo, pós Segunda Guerra Mundial. Com isso, cada um em seu tempo, entrou em contato com suas memórias apagadas”, afirma Fábyo.

Leo Campos, diretor do sucesso “A História de Um certo Zé”, embarca em mais uma direção com proposta dramatúrgica clássica, onde a narrativa traz os elementos tradicionais com início, meio e fim.

“Eu sou um apaixonado pelo teatro clássico, então, quando recebi a proposta de dirigir um espetáculo, inspirado no Teatro Absurdo, e com uma dramaturgia original, aceitei imediatamente. A falta de memória é algo tão comum nos dias de hoje, principalmente, depois de uma pandemia, onde ficamos isolados e muitas pessoas tiveram como sequela da COVID, a falha da memória. Acho que é uma forma de tratar este assunto com humor, ao mesmo tempo, utilizando a ferramenta da verossimilhança, que a comédia nos possibilita”, conclui o diretor.

Serviço

Sinopse: A peça mostra a jornada de dois personagens que perdem a memória de forma misteriosa em uma noite chuvosa. Impossibilitados de saírem de casa, ao longo da narrativa absurda, eles desenham gradativamente um objetivo: bolar estratégias para recuperarem suas lembranças e descobrirem quem são.

 

De 29 de fevereiro a 10 de março.

Dias e horários: quinta a sábado, às 20h, e domingo, às 19h.

Local: Miniauditório Glauco Flores de Sá Brito (Teatro Mini Guaíra)

Endereço: Rua Amintas de Barros, 70 – Centro, Curitiba-PR

Telefone: (41) 3304-7900

Classificação: Livre

Ingressos: R$40 (inteira) / R$20 (meia)

Site para compra de ingressos: https://www.ticketfacil.com.br/eventos/cctg-se-a-memoria-nao-me-falha.aspx

Página: https://www.instagram.com/memoria.teatro/

Link para baixar fotos em alta: https://drive.google.com/drive/u/3/folders/1sWGDX1Cvv_mNTxpmpVZ7bEEO1c8C6l4F

Ficha Técnica

Texto e elenco: Fábyo Rolywer e Jheny Goll

Direção: Leo Campos

Assistente de direção: Danilo Custódio

Iluminação: Lucas Amado

Cenário: Guilherme Stuermer

Figurino: Saulo de Almeida

Sonoplastia: Célio Savi

Artes: Luciano Maccio

Marketing Digital e Assessoria de imprensa: Leandro Bertholini

Fotografia: Maurii Rocha

Produção executiva: Fabyo Rolywer e Jheny Goll

Produção e Realização: Na Real Cultural