Campanha Novembro Azul visa conscientizar sobre o câncer de próstata

De acordo com informações do Instituto Nacional de Câncer (INCA), o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens no Brasil, ficando atrás apenas de um dos tipos de câncer de pele. Para 2016, o INCA estimou que seriam diagnosticados 61 mil novos casos. Campanhas como Novembro Azul visam conscientizar a população masculina sobre a doença e principalmente desmistificar o exame preventivo, que o de toque retal. Detectado a tempo, as chances de cura dos pacientes chegam a mais de 90%, por isso é necessário, cada vez mais, abordar o assunto e falar abertamente sobre ele.

O urologista e cirurgião oncológico do Instituto de Oncologia do Paraná – IOP, Dr. Murilo de Almeida Luz, esclarece mais sobre o câncer de próstata nesta entrevista.

Instituto de Oncologia do Paraná – Dr. Murilo, o que é câncer de próstata?
Murilo de Almeida Luz
 – O câncer de próstata é uma neoplasia maligna, ou seja, um crescimento anormal de células que acomete esta glândula. Importante salientar que este diagnóstico engloba desde tumores com mínima agressividade até tumores bastante agressivos, menos comuns no caso da próstata.

IOP – Qual é a idade sugerida para se fazer o exame de próstata?
ML –
 Embora mundialmente exista bastante discussão acerca deste tema e do real beneficio desta prática, pelo real potencial de salvar vidas, atualmente a Sociedade Brasileira de Urologia preconiza testes a partir dos 50 anos ou aos 45 anos se tiver fatores de maior risco (obesidade, raça negra ou história familiar).

IOP – E para quem tem casos na família? Ele é um câncer hereditário?
ML – Este tumor pode sim ter um caráter hereditário e o risco é aumentado quando o paciente apresenta casos na família, principalmente em primeiro grau (pai, irmão).

IOP – Podemos dizer que o câncer de próstata também é uma doença silenciosa? Quando dá sinais já se encontra em estado avançado?
ML –
 Sem duvida, entre as neoplasias malignas, o câncer de próstata é um dos mais silenciosos. Quando apresenta sintomas geralmente trata-se de doença avançada e com menor chance de cura, embora existam tratamentos muito eficazes atualmente mesmo para doenças nesta situação.

IOP – Há fatores de risco para o câncer de próstata?
ML –
 Existem poucos fatores de risco modificáveis embora alguma evidência exista no que se refira a controle de peso, exercícios físicos e alimentação balanceada que possam reduzir risco de neoplasias mais agressivas. Entre os fatores definidos, mas não modificáveis, estão a raça negra e a história familiar.

IOP – O que é o exame PSA e como funciona?
ML –
 Trata-se de um teste realizado no sangue que detecta a substância PSA (antígeno prostático específico). Esta substância produzida pela próstata pode ajudar na detecção de tumores embora possa também estar elevada em outras doenças da próstata como infecções e hiperplasia benigna.

IOP – A ressonância multiparamedica é indicada como avaliação diagnóstica?
ML – 
Embora o uso da ressonância na avaliação do câncer de próstata tenha crescido ela não é exame considerado padrão para rastreamento de neoplasias.

IOP – Há novidades no tratamento do câncer de próstata com o uso de novas drogas e terapia-alvo?
ML –
 Os últimos anos foram muito frutíferos na criação de novos tratamentos para esta neoplasia. Podemos citar principalmente duas novas drogas hormonais que demonstraram ótimos resultados para pacientes com doença avançada.

IOP – Já foram determinados os marcadores moleculares para o câncer de próstata?
ML –
 Existem alguns testes moleculares já comercialmente disponíveis para avaliar a agressividade da doença bem como prever respostas a tratamentos. Infelizmente não temos em nosso meio grande acesso a estes testes devido ao alto custo e dificuldade de realização.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.