Intercâmbio: cinco dicas para aprender inglês antes, durante e depois da viagem

Quando se fala em viajar para fazer intercâmbio, grande parte das pessoas imagina seus filhos, amigos, ou pessoas jovens que estão terminando o Ensino Médio e estudando inglês para ir ao exterior. Mas, qual a idade máxima para fazer intercâmbio de inglês? Será que ainda dá tempo de viajar?
Se depender das agências de intercâmbio, a resposta é certa: não existe idade máxima. Cada vez mais, pessoas acima de 40 anos têm procurado pacotes para estudar inglês e outras línguas no exterior – ora porque precisam da imersão no idioma para o trabalho, ou porque sentem que estão com a vida “pronta” e podem, finalmente, “curtir a vida”.
E não para por aí. De acordo com o Ministério do Turismo, brasileiros com mais de 60 anos fizeram pelo menos 18 milhões de viagens em 2015. Esse número já cresceu 11% desde 2011. Indo para a Europa, países como Inglaterra e Malta são os destinos mais procurados para estudar; já Canadá e Estados Unidos são os campeões na América.
Não saber inglês deixou de ser impeditivo para quem está viajando ao exterior – diversos cursos online estão disponíveis para o aluno ficar fluente antes e durante a viagem. O americano Kevin Porter é uma dessas pessoas que não esperou duas vezes para viajar, independente da idade. No entanto, ele fez o caminho inverso: veio ao Brasil para prestar serviços voluntários. Kevin decidiu que iria aprender português por conta própria e, em quatro meses, já sabia ler e escrever fluentemente. A metodologia desenvolvida por ele logo se tornou a ponte para ajudar outras pessoas a aprender inglês, especialmente quem tem mais de 40 anos. “Não precisamos saber todas as 15 mil palavras da língua inglesa se um nativo usa apenas 800 a 1000 palavras no dia a dia”, admite Kevin, da escola de idiomas online ESF Inglês.
Para quem está indo fazer intercâmbio depois dos 40 anos, além das aulas online, é possível seguir alguns passos para se manter imerso durante o tempo de viagem e ficar fluente mais rápido. Confira cinco dicas que podem ser utilizadas antes, durante e até depois da viagem e valem, também, para qualquer idade. Confira:
1 – Lembre dos 10 verbos mais usados
As palavras de alta frequência são aquelas que usamos várias vezes ao dia em diversos contextos e para formar frases dos mais variados sentidos. Você já parou para pensar quantas vezes usou o verbo “ter” hoje, por exemplo? Em inglês, é mesma coisa: o verbo “to have” é um dos mais usados pelos nativos e, uma vez bem compreendido, você pode criar várias frases apenas com ele. Além do “to have”, você pode usar:
  • To be: é uma palavra de presença. Em português, seria “estar e ser;

  • To do: palavra de ação e significa “fazer” (não criar);

  • To make: essa sim significa “criar, produzir”;

  • To say: significa “dizer” (existe ainda tell, “contar”, speak “falar”, e talk “conversar”);

  • Will: é a conjugação para os verbos no futuro. É utilizado sempre antes do verbo: will + outro verbo;

  • Would: essa palavra é utilizada como auxílio de outro verbo também, para remeter a algo que você faria (mas não fez) ou ao passado. Would + verbo;

  • To get: “obter, ter”. Essa palavra tem muitos outros significados que facilitam a vida de quem quer ser fluente. Confira esses significados aqui;

  • To go: significa “ir” (e “come” é vir);

  • Can: “poder” (não de posse, mas de possibilidade).

Obs: quando falamos do verbo em inglês no sentido infinitivo, ele é sempre apresentado com “to” antes da palavra. É como em português:
Ter / Eu tenho
To have / I have
2 – Veja filmes e séries
Escolha uma série ou filme que você gosta, elimine a legenda e anote tudo o que você assistiu, mas em inglês! Faça sinopse, descrição das personagens e assista de novo. Os episódios vão ficar mais claros e você, inconscientemente, vai entender e lembrar das palavras utilizadas.
3 – Converse com nativos
Não tenha vergonha. Assim como eles não sabem bem português, você não sabe todos os segredos do inglês – lembre-se disso! Mas é preciso praticar e ninguém melhor do que os nativos para ensinar. Quando aprendemos a língua, precisamos ter 80% de imersão em canais de comunicação em inglês, como rádio, TV, podcasts, sites etc, para compreender; e 20% de conversação com amigos e família – em inglês e sobre o idioma, para treinar.
4 – Tenha uma rotina

Quando estamos em um país diferente, ir no banco, na farmácia, no mercado; participar de eventos, estudar, sair à noite etc. fazem parte de uma rotina da mesma forma que no Brasil. Os hábitos dos quais nos apropriamos facilitam a compreensão da língua inglesa. Aprender in loco no supermercado o que significa “maçã” e “ovos” pode parecer nada, mas é só o seu vocabulário ganhando novas palavras.

5 – Pense em inglês
Experimente assistir a um filme longo ou vários episódios de uma série de uma vez só. Mais tarde, você vai estar pensando em algumas palavras em inglês, não? Isso é ótimo. Quando estamos em um país diferente, ouvir, ver e ler frases em inglês faz com que automaticamente, comecemos a pensar e criar frases na nossa mente. Quando tiver a oportunidade de participar dessas imersões, aproveite!