Saiba como lidar com cílios com queda, descamação e desidratação

Notaparana

Cílios lindos e longos: esse parece ser o sonho de muitas mulheres, mas muitas vezes a realidade é bem diferente. “A forma com que cuidamos dos nossos cílios diariamente influencia diretamente na sua qualidade, tamanho e espessura. Quando os cílios começam a sofrer com descamação, ou a cair demais, devemos nos preocupar, porque alguma coisa não está sendo feita corretamente”, afirma Dra Valéria Marcondes, dermatologista membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia. A médica responde algumas dúvidas e cuidados sobre os cílios:

Cílios caindo demais – A queda de cílios faz parte do processo de renovação das hastes dos fios e ocorre naturalmente a cada quatro meses, segundo a dermatologista, respeitando as fases características dos fios capilares. De acordo com a especialista, as pálpebras superiores apresentam entre 100 a 150 fios que se renovam em fases – e por vezes promovem menor densidade, número e tamanho dos cílios. “Porém, quando há um quadro de queda importante (falhas ou a falta de cílios), que chamamos de madarose ou alopecia ciliar, há uma indicação de possíveis problemas orgânicos como: blefarites (inflamação das glândulas na borda anterior das pálpebras), alergia a maquiagens, carência nutricional e outras doenças como as autoimunes”.

A maior causa de queda ciliar, explica a Dra Valéria, ocorre pelo abuso de maquiagem como rímel à prova d’água, uso excessivo de delineador ou marcas com pigmentos sintéticos e conservantes que provocam sensibilidade e alergia local. “Além disso, as maquiagens têm validade de uso, sendo que as máscaras, após abertas, não duram mais do que seis meses e devem ser removidas diariamente sem que fiquem em contato com a região durante a noite toda”, completa. Por isso, é ideal usar demaquilantes que sejam testados oftalmologicamente.

A médica afirma ainda que os cílios podem cair por motivos nutricionais, por carência ou excesso de substâncias. “Deficiência do complexo B, Vitamina E, Zinco, Selênio, falta de Vitamina D, Ferro, Ácido Fólico e proteínas, além da Biotina e da Piridoxina. Já o excesso de vitamina A também pode causar queda assim como a falta de cílios.”

Cílios com descamação – Mais comum em dias frios, é mais comum em pessoas com pele oleosa e olhos muito secos. “Por causa da baixa umidade do ar, apresentam coceira, vermelhidão e formação de pequenas crostas ou descamação, uma alteração comum que piora com água quente e exposição ao vento”, explica a dermatologista. E completa: “Além disso, existe o uso excessivo de cosméticos como cremes com substâncias irritativas ou conservantes e maquiagens que por vezes são o meio de contaminação e propagação bacteriana ou fúngica”, acrescenta.

Para evitar esse quadro clínico, o hábito diário de higiene das pálpebras é um dos principais cuidados que devem ser tomados. “Usar loções de limpeza dermatologicamente e oftalmologicamente testados ou sabonetes líquidos infantis e aplicar cremes de hidratação em base aquosa diariamente”, ensina. E caso já venha apresentando esse quadro, é necessário procurar um dermatologista. “Após criteriosa avaliação, o médico tem condição de orientar de modo focal se há presença de fungos ou bactérias ou se há necessidade de controle, pois este paciente pode ter predisposição por seborreia, hipersensibilidade, reatividade ou rosácea”. A Dra. Valéria enfatiza ainda que esse quadro pode ser caracterizado por uma patologia chamada blefarite, que provoca descamação na pele junto à região de união ciliar, podendo ser de origem seborreica, bacteriana ou alérgica. “Deve ser tratada no início para que não haja evolução do quadro, podendo atingir a porção interna da pálpebra e acometer o globo ocular e a córnea”, afirma.

Como remover a máscara ciliar – A médica também explica que as máscaras ciliares devem ser passadas e retiradas corretamente. “A origem da máscara ciliar é de extrema importância, sua qualidade é fundamental para saúde dos folículos ciliares. Ao aplicar e/ou remover não deve haver tração exagerada ou o hábito de esfregar com movimentos de vai e vem. A retirada deve ser feita por loções sem álcool ou água demaquilante micelar e algodão macio em movimentos circulares e repetido por duas a três vezes delicadamente, quando a maquiagem ciliar (Rímel e Delineador) não é à prova d’água”, adverte.

No entanto, quando o rímel é volumizador e à prova d’água, ele deposita partículas e provoca espessamento temporário; nesse caso, a dermatologista aconselha o uso de soluções bifásicas de óleo e água para retirar a maquiagem com algodão macio e movimentos circulares. “Do canto medial para o lateral para remover todos os resíduos antes de dormir, prosseguindo então com a higienização posterior com o sabonete de limpeza e o tônico”, ensina.

Hidratação tópica e nutricional – Outra preocupação básica é com relação à hidratação. “Para a saúde dos cílios, é essencial hidratá-los e nutri-los, não permitindo assim que as hastes mais finas e secas sofram fraturas ou fiquem mais finas com tendência à queda ou rarefação. Portanto, quando utilizar o creme da área dos olhos, sempre específico para a região, aplique o produto indicado rente aos cílios ou ainda utilize com cotonete duas a três vezes por semana um óleo como o de rícino derivado da mamona ou um creme a base de pró-vitamina B5”, orienta. “Muitas vezes o próprio dermatologista indicará formulações específicas ricas em aminoácidos, silício, ácido hialurônico e um pool de vitaminas para ser utilizado à noite ou antes da própria máscara.”

Cuidados com o curvex – O uso do Curvex requer delicadeza e calma para manuseá-lo. “A manutenção deve ser observada, como sua higiene e a famosa ‘borrachinha’, que deve ser trocada semestralmente — e de preferência ser de silicone. O Curvex deve ser utilizado em fios médios e longos que por vezes são mais retificados e precisam de modelagem”, explica. É essencial que os fios estejam secos e limpos e o Curvex deve ser aplicado antes da máscara ciliar para que não haja quebra dos fios. “A grande maioria das máscaras, quando aplicada em várias camadas, deixa os fios ciliares mais duros e pouco flexíveis, o que pode provocar um trauma físico irreparável que leva a quebra no local da pressão.” Segundo a dermatologista, o curvex térmico também demanda esses cuidados, de forma redobrada, para que o tempo de exposição não seja demasiado e não se queime a pele da pálpebra.

Produtos para crescer cílios e produtos para tingi-los – A dermatologista afirma que os produtos são seguros desde que sejam aprovados pela ANVISA. “Podem ser fórmulas manipuladas por um dermatologista ou comprado na farmácia. Esses produtos prolongam a fase de crescimento dos fios já existentes deixando-os também mais espessos e pigmentados.” No caso do tingimento dos cílios, a médica pondera que o procedimento deve ser realizado por um designer de sobrancelhas ou visagista ou profissional habilitado. “Jamais faça esse procedimento em casa em autoaplicação, pois pode causar alergia.”

Fonte: Dra. Valéria Marcondes

Dermatologista da Clínica de Dermatologia Valéria Marcondes, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia com título de especialista e da Academia Americana de Dermatologia. Foi fundadora e é membro da Sociedade de Laser. www.valeriamarcondes.com.br

guilherme.zanette@holdingcomunicacoes.com.br