Infartos e derrames são as principais causas de mortes no país para homens e mulheres, segundo levantamento inédito da SBC

As doenças cardiovasculares são as principais causas de mortes no Brasil e registraram 362.091, ou seja, mais de 40 mortes por hora. Segundo levantamento da Sociedade Brasileira de Cardiologia – SBC – e que será apresentado no 73° Congresso Brasileiro de Cardiologia, que começa hoje (14/09), em Brasília, os infartos e os acidentes vasculares cerebrais – AVCs, popularmente conhecidos como derrames, lideram as estatísticas tanto para homens, quanto mulheres.

No caso dos homens, os infartos vêm em primeiro lugar com 68.018 mortes e os AVCs vitimaram 51.753 pessoas do sexo masculino, ao longo de 2016, dados mais recentes disponíveis e contemplados no levantamento da SBC. Entre as mulheres, a situação se inverte com mais mortes por AVCs, 51.198 vítimas. Por infarto feminino foram 48.104 mortes. “A principal explicação é porque a mulher depois da menopausa perde a proteção hormonal e se torna mais vulnerável as doenças cardiovasculares e, em muitos casos, com mais gravidade do que os homens. Em relação ao AVC, há um indicativo de que a mulher tenha maior fragilidade vascular que os homens, porém ainda não há um trabalho científico robusto que sustente de forma definitiva essa tese”, destaca o cardiologista Felipe Simão.

 

            Doenças Cardiovasculares – DVC Mortes em 2016
Infartos 116.133
AVCs 102.965
Doenças Hipertensivas 49.640
Doenças das artérias, das arteríolas e capilares 13.452
Doenças cardíaca pulmonar e da circulação pulmonar 8.914
Doenças veias, vasos e gânglios linfáticos, NCOP 4.029
Doenças reumáticas crônicas do coração 1.951
Febre reumática aguda 116
Outras DCVs 64.512
Outros transt e os não espec aparelho circulatório 379
  362.091

 

Os homens ainda lideram as mortes gerais por doenças cardiovasculares (190.242), mas as mulheres já estão muito próximas (171.809). Há 50 anos, para cada 10 mortes por doenças cardiovasculares, nove eram homens e apenas uma era mulher. “O fato de a mulher ter entrado no mercado de trabalho e passar a ter jornadas duplas e até triplas contribuíram para esse aumento significativo”, lembra o diretor de Promoção da Saúde Cardiovascular, Fernando Costa. O cardiologista ressalta que o estresse é um fator de risco para as doenças cardiovasculares, assim como o colesterol elevado, a hipertensão, o sedentarismo, a obesidade, o diabetes, o tabagismo e o álcool em excesso.

Os números serão amplamente debatidos durante o Brasil Prevent, evento que ocorre dentro do 73° Congresso Brasileiro de Cardiologia. Os especialistas discutirão quais as mudanças no estilo de vida e as melhores abordagens sobre os fatores de risco para o coração. “Vivemos uma verdadeira epidemia de mortes por doenças cardiovasculares e será preciso buscar caminhos melhores para conscientizar a população para que esse quadro seja revertido”, completa o coordenador das discussões no Brasil Prevent e ex-presidente da SBC (2.004/2.005), Felipe Simão, que também foi um dos idealizadores do evento sobre prevenção, juntamente com outro ex-presidente da SBC (2.010/2.011), Jorge Ilha.

 

Serviço:

73º Congresso de Cardiologia

Data: de 14 a 16 de setembro

Local: Centro Internacional de Convenções de Brasília – CICB

Endereço: SCES Trecho 2, Conjunto 63, Lote 50 – Asa Sul, St. de Clubes Esportivos Sul Trecho 2 – Brasília, DF, 70200-002

Informações e Inscrições: http://cardio2018.com.br/