Ginseng de origem paranaense cresce na exportação

Novas vendas mostram que trabalho realizado por associação vem se consolidando no mercado externo

A primeira quinzena de agosto foi de muito trabalho na Associação de Pequenos Agricultores de Ginseng Brasileiro de Querência do Norte (Aspag). Na quinta venda para o Japão, onde o produto será utilizado na fabricação de chá, a associação totalizou o envio de 3,6 toneladas da raiz picada e desidratada.

Uma mostra de que o trabalho da associação vem se consolidando, é que o ritmo de trabalho vai continuar: até a primeira quinzena de setembro, outras 5 toneladas serão exportadas para uma empresa de cosméticos da França. O lote vai embarcar no Porto de Paranaguá rumo ao Ceará, onde será reembalado para seguir ao continente europeu.

Querência do Norte fica no noroeste do Paraná e é conhecida como o “Pantanal Paranaense”, fazendo divisa com o Mato Grosso do Sul. A característica do solo é fundamental na produção do ginseng, tanto que a Aspag vem trabalhando para obter o registro de Indicação Geográfica de Denominação de Origem.

“Por causa do clima e do solo, colhemos com qualidade o ano todo. Este ano colhemos uma batata/raiz de dois quilos. E em paralelo às exportações, estamos buscando a Indicação Geográfica, com o objetivo de ampliar mercado. Algumas empresas, com algumas da China, demandam esse tipo de certificação”, comenta o produtor e sócio-presidente da Aspag, Misael Jefferson Nobre.

Atualmente, a Aspag conta com 27 associados. Para fazer parte do grupo, é preciso seguir uma série de requisitos, como ter produção orgânica. “O produtor tem conseguido entre R$ 2,50 e R$ 3,20 no quilo. Está sendo lucrativo”, diz Misael. “Com esse projeto, promovemos o desenvolvimento socioeconômico, preservamos o meio ambiente e evitamos a extração de forma clandestina”, completa.

A consultora do Sebrae/PR, Narliane de Melo Martins, ressalta que o produto tem alto valor agregado e apresenta demanda para finalidades distintas, como cosméticos, fitoterápicos, energéticos, entre outras. “Agora a pretensão é aumentar o número de associados, seguir protocolos para manter os selos e certificações já conquistados e buscar a Indicação Geográfica”, projeta.

A produção da raiz impacta as famílias que trabalham na cadeia do ginseng de forma direta, atrai atenção para o município, aumentando o potencial turístico, integrando poder público, instituições de pesquisas e produtores.

CONTATO COM O COLUNISTA    pietrobelliantonio0@gmail.com

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui