DMCard inova ao implementar programa de estágio em Data Science com mentoria de expert do Vale do Silício

Alexandre Nascimento, professor da SingularityU Brazil e da Fundação Vanzolini, e pesquisador na Universidade de Stanford, comanda as squads que desenvolvem modelos de ciência de dados para diversas áreas de negócios da empresa.

A iniciativa visa não só preparar jovens talentos para posições na área Data Science da DMCard, mas também ajudar a empresa a se tornar uma das instituições financeiras mais tecnológicas e inovadoras do mundo.

O Programa de Estágios DMCard 2021, que teve início com um disputado processo seletivo em outubro do ano passado, selecionou 11 estudantes do ensino superior em Engenharias, Matemática, Estatística, Ciência da Computação ou Física para atuação em projetos estratégicos voltados ao crescimento, expansão de negócios e produtos.

A iniciativa visa não só preparar jovens talentos para posições na área Data Science da DMCard, formando profissionais estratégicos para a liderança do negócio, mas também ajudar a empresa a se tornar uma das instituições financeiras mais tecnológicas e inovadoras do mercado.

O programa tem como principal objetivo contribuir para o desenvolvimento de habilidades para a análise dos dados em diversas áreas da empresa. Ainda que o programe esteja concentrado em áreas de formação específicas, os novos estagiários atuarão em posições que vão do Planejamento de Risco e Prevenção a Fraudes até o Marketing e a Experiência do Consumidor.

Independente da área de atuação, os estagiários da DMCard trabalham com análises e modelagens preditivas, modelos de machine learning, além de mineração, transformação e análise de dados de inteligência artificial.

E para fornecer um maior suporte aos estagiários, a DMCard conta com a parceria de Alexandre Nascimento, empreendedor residente no Vale do Silício que também atua como pesquisador na Universidade de Stanford.

Como o programa funciona

O programa se apoia em três pilares: Problem Based Learning (PBL), Agile e Quick-wins. O PBL é um estilo de ensino que leva aos alunos a se tornarem os pilotos do processo educacional, visto que todo o aprendizado ocorre com objetivo de resolver problemas reais complexos que agregam valor para o negócio, e, que são apresentados aos mesmos com grau de dificuldade incrementalmente crescente. O segundo pilar garante a aplicação da abordagem ágil no gerencialmente do desenvolvimento dos modelos, onde as squads vão construindo e apresentando versões de forma rápida e incremental para os usuários já terem contato com a solução, consumirem e colaborarem com a evoluç            ao da mesma. E, por fim, o último pilar busca identificar o maior resultado para o menor esforço, como uma estratégia de reduzir resistências e ganhar momentum.

Para começar foi realizado um levantamento com todas as áreas da DMCard a fim de entender qual eram os melhores modelos para fornecer feedbacks com melhores previsões sobre eventos futuros. Aos poucos, as áreas foram se abrindo e tiveram mais de 100 demandas. Para a realização dos trabalhos, foi usada uma metodologia de organização de acordo com o que potencialmente traria mais valor ao negócio, com menor esforço. A metodologia buscou identificar os quick wins ou ganhos rápidos.

Após essa identificação de potencial para ganhos rápidos, as sugestões foram colocadas em prática, em projetos executados dentro de uma janela de um mês, pela equipe de estagiários responsável pela execução. Para chegar a um primeiro protótipo de solução rápida, a equipe usou a abordagem de hackathon. Essa abordagem deu tão certo que passou a fazer parte do dia a dia da equipe de forma orgânica e ágil.

O primeiro sprint contou com 14 projetos que deveriam ser realizados em um ano. Em apenas seis meses a equipe conseguiu resolver quase tudo. Por meio desse projeto inovador, a DMCard teve um imenso retorno em termos de potencial de ganho rápido por negócio.

Soluções

Para o programa, a equipe utilizou a criação de modelos de ciência de dados e/ou inteligência artificial, que passam a se tornar ferramentas para auxiliar as áreas a tomarem a melhores decisões combinando a experiência dos gestores com os insights trazidos pelas Informações geradas pelos modelos. Com a ajuda de modelos preditivos, é possível ter uma ótima ideia do que vai acontecer no futuro, o que ajuda a equipe a tomar a decisão apropriada para otimizar os recursos existentes buscando uma maximização do retorno possível.

Experiência disruptiva com mentoria externa

De acordo com o mentor do Projeto, Alexandre Nascimento, o projeto não só trouxe ganho para os estagiários, que fazem parte de uma geração nova que gosta de participar, questionar e trabalhar para resolver um problema, mas também para a empresa que está abraçando novas culturas e obtendo ganhos reais. “Antes do programa não conhecia a DMCard. Confesso que fiquei muito entusiasmado com a empresa e me tornei fã. Digo isso com propriedade, pois conheci diversas empresas e, na minha visão, o que estão fazendo é algo que eu considero vanguarda. Eles entenderam um dos princípios mais importantes que é trazer um grupo com diversidade e respeitar o background cultural deles”, disse.

Durante o programa, os estagiários não demoraram para se sentirem em casa. Eles puderam participar de reuniões com gerentes e diretores, agregando valor desde o início do projeto. “Diferentemente dos estágios de antigamente, onde o estudante tirava xerox e pegava o cafezinho, nesta mentoria eles são protagonistas de um projeto único, que fará suas carreiras avançarem. Essa turma terá a chance de colocar no currículo que, durante o estágio colocou um número grande de soluções em produção”, finaliza.

Programa de estágio: uma experiência transformadora

Augusto Vieira Favi, estudante de Análise e Desenvolvimento de Sistemas e participante do programa de estágio da DMCard, conta que essa é sua primeira experiência profissional, mas que já se sente parte da empresa. “Estou deslumbrado com o programa. Do suporte, passando pela estrutura oferecida, a atenção e o clima da empresa, tudo foi pensado para nos sentirmos cada diz mais motivados a darmos o melhor. Agora o meu sonho é conseguir a efetivação para continuar ajudando a DMCard em sua estratégia de crescimento”.

Já Marcelo Ferreira da Cruz, estudante de XYZ, conta que o programa foi pensado para potencializar as oportunidades de aprendizado do grupo de estagiários. “Temos acesso à diretoria da empresa e uma compreensão total dos processos da DMCard. Cada um de nós sairá do programa totalmente preparado para trabalhar em uma das áreas da empresa ou ainda entrar no mercado de trabalho ainda mais confiantes e plenamente capacitados”.

Mentoria interna com visão holística

Leninha Duartte, gerente de Planejamento de Risco da DMCard, é responsável pela mentoria interna e fica à frente das áreas de Machine Learning e Data Science. Ela nos conta que tem muito orgulho em ajudar a colocar essa visão holística da empresa em prática. “A DMCard é uma empresa com espírito jovem, que permite novos projetos com novas visões, sempre com esse olhar atento ao todo. O resultado de tudo isso não poderia ser diferente, conseguimos em pouco tempo, com o apoio do Alexandre e todo seu conhecimento no Vale do Silício, transformar essa ideia em um projeto de grande valia”.

“Os estudantes que participam do projeto trazem um olhar de fora, de quem quer fazer acontecer, incluindo o uso de novas tecnologias. De fato, é muito prazeroso ver isso. E eu como uma apaixonada por essa área, acredito que estamos no caminho certo e muito otimistas. Acreditamos que este projeto tem todos os ingredientes para ter continuidade na DMCard”.

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui