Vinícius Duran busca conexão entre São Paulo e Bahia com o samba-reggae “Moída”

Depois de estrear a impactante “Bandeira Vermelha”, faixa que abriu os trabalhos de seu primeiro álbum solo “Palavras Marginais”, o cantor, compositor e multi instrumentista Vinícius Duran faz do novo single uma oportunidade de conexão com outras raízes da nossa música. “Moída” é um samba-reggae que transforma a rotina maçante de uma mulher em uma canção de amor a cartões postais da sua São Paulo natal, ao mesmo tempo que apresenta um tempero sonoro baiano.

 

Composição mais antiga do repertório do disco, “Moída” surgiu em 2017 com uma levada samba-rock e bossa, uma ponte perfeita com “É de manhã”, de Caetano Veloso, nas apresentações ao vivo de Vinícius Duran com o grupo Fiat Lux, do qual é fundador. Porém, inspirado pelo documentário “Axé – Canto do Povo de Um Lugar”, de Chico Kertész, o músico transformou a antiga música em um samba-reggae baiano. Para as referências do arranjo, Vinícius recorreu a álbuns de Daniela Mercury (“Feijão com Arroz”, 1996) e Caetano (“Livro”, 1998).

 

“Na letra, o personagem-narrador faz um apelo sedutor à sua companheira, que volta exausta de mais um dia de trabalho, moída pela rotina feroz da cidade. O icônico Edifício Copan, símbolo da capital paulista, surge no refrão como um ponto de referência. Na música, e não só, São Paulo é muito mais que um cenário”, entrega Duran.

 

O artista prepara os primeiros passos de sua carreira solo após uma vida inteira dedicada à música. Os sons da zona leste de São Paulo, onde cresceu, povoam seu imaginário, indo da MPB ao samba. Na adolescência, conheceu o rock, aprendeu a tocar violão e passou a integrar a banda de pop rock Atomix. Depois de um hiato da música, que o levou à faculdade de Rádio e TV e a fundar a Rústica Produções, voltou a atuar como instrumentista com um repertório misto de autorais e releituras. 

 

Em seguida, passou a frequentar a Ala de Compositores do Kolombolo e a Comunidade do Samba da Vela, reconhecidos celeiros de compositores da capital paulista. Em 2018 fundou Fiat Lux, grupo de samba e pesquisa que busca defender músicas e compositores que não tiveram o devido reconhecimento pela indústria mainstream. Com repertório que inclui nomes como Talismã, B. Lobo, Toinho Melodia e Douglas Germano, o grupo teve em 2019 uma pequena turnê de apresentações em Salvador, na Bahia, onde tocou em lugares icônicos, como a Casa de Mãe.

 

Como compositor, Vinícius Duran teve “Filho”, uma parceria com o amigo Nico Antônio, selecionada para o Festival Musicanto, em 2018. A música foi defendida pelo grupo Nico Antônio e os Filhos do Mar, que posteriormente a incluiu no repertório do disco “O Paquiderme”, lançado em 2021.

 

Agora, Vinícius se prepara para lançar seu primeiro trabalho solo, o disco “Palavras Marginais”, que conta com 10 canções autorais mesclando as diversas influências do artista. O álbum tem produção musical de Renato Enoki e conta com a participação de músicos como Henrique Araújo, Júlio César e Allan Abbadia, e será lançado em breve. Enquanto isso, é possível ouvir “Bandeira Vermelha” e “Moída” nas principais plataformas.

Últimas notícias

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui