Juliana Calderón lança clipe e single “Leoa Tectônica”

Crédito: Cleber Correia

Multi artista polivalente, a paulistana Juliana Calderón faz da sua música uma forte mensagem de conexão interna, com o mundo e com a natureza. Esses motes guiam “Leoa Tectônica”, single do primeiro de seus dois discos já anunciados, onde une suas veias que pulsam mais alto: a música e o teatro. A força do feminino ecoa por toda a obra e impulsiona o uso de arquétipos para construir uma narrativa de vida, luta e resistência. O lançamento é do selo Relva Music em todas as plataformas, e o álbum “Primeiro ato: Tectônica” completo tem previsão para o segundo semestre.

Ouça “Leoa Tectônica”: 

A canção aborda a complexidade e os paradoxos do arquétipo feminino, estabelecendo uma relação entre a história social da mulher e a condição do Planeta Terra, que apesar da devastação, continua girando. Com a influência teatral desde a letra, até a interpretação de Juliana, o clipe narra a trajetória feminina de um lugar de desconexão com a natureza e privação de liberdade à reconexão com o planeta e consigo mesma. Assim como os ciclos da Terra são puro movimento, “Leoa Tectônica” transmuta poesia em performance, revelando uma artista múltipla e pronta para os palcos e espetáculos.

Esse conceito surge desde a capa do single, onde Juliana Calderón aparece sob uma aura velada e vermelha, referência às limitações impostas pela sociedade e à violência de variadas formas que acompanham as mulheres ao longo dos séculos. A passagem do tempo é o catalisador para tudo isso, já que as placas tectônicas são uma força intensa e constante e que se movimentam, tensionam e transformam. A canção honra a alquimia das polaridades – água/magma, calma/fúria, noite/dia – e a força da ancestralidade como guia para o processo de individuação e integração com a natureza. 

A musicalidade também reflete esses contrastes, misturando momentos de alto teor de intensidade e teatralidade, ao ritmo nordestino leve e dançante do xote. A produção de Marco França, diretor musical de teatro vencedor de dois prêmios Shell, contribui para trazer à tona toda a dramaticidade dessa faixa. 

As referências para a criação do clipe, cujo roteiro e direção também são assinados por Juliana, passam pela pesquisa imagética de figuras arquetípicas como “a rainha”, “a santa”, “a cigana”, que se entrelaçam em uma viagem de autoconhecimento e empoderamento, sempre em diálogo direto com o arquétipo da mãe Terra. Inspirações visuais não literais passam pela obra “Terra-corpo”, da artista cubana Ana Mendieta, e pelos filmes de Alejandro Jodorowsky, como “Dança da Realidade” e “Poesia sem fim”, trabalhos que refletem e viabilizam a transmutação que a artista busca realizar em si.

O vídeo de “Leoa Tectônica” invoca a força da mulher, em toda a sua pluralidade, em direção à reconexão com sua natureza selvagem, livre. Através da referência e reverência ao arquétipo feminino primordial, a Terra – que, como diz a letra da canção, tem “mil coroas na cabeça e o corpo devastado por vontades de pedra” – Juliana nos lembra que, mesmo no cimento, essa força ancestral nunca cessa de mover suas placas tectônicas, de girar, de seguir seu próprio caminho.

O álbum “Primeiro Ato: Tectônica” faz parte de um projeto maior, que envolve uma peça musical de auto-ficção assinada pela artista contendo as músicas do disco, além de um próximo disco, “Segundo Ato: Platônica”, já em fase de produção.

Sobre a artista:

Juliana Calderón é cantora, compositora, atriz e comunicóloga especialista em Comunicação Não Violenta. Como cantora e compositora, esteve à frente de duas bandas: Granata (2014 a 2019) e Repentina (2016 a 2019), se apresentando em diversos espaços culturais conhecidos da cena musical independente de São Paulo.

Como atriz, se aprofundou em humor na SP Escola de Teatro e no método do Centro de Pesquisa Teatral (CPT) de Antunes Filho, através do CPTzinho, além de estudar na The London Centre for Theatre Studies e na Central School of Speech and Drama, em Londres, onde mergulhou intensamente na cena teatral e musical da cidade. Ainda no Reino Unido, participou de uma turnê de 3 meses com a premiada peça norte americana “The Clean House” e, de volta ao Brasil, foi dirigida por grandes nomes do teatro brasileiro, como Rodolfo Garcia Vasquez, Zé Henrique de Paula, Fábio Ock, Fernanda Maia e Antunes Filho.

Em 2021, Juliana iniciou o processo de produção do seu primeiro disco autoral solo, “Primeiro Ato: Tectônica”, com o produtor e premiado diretor musical Marco França. O projeto também inclui dois videoclipes e uma peça de teatro musical de auto ficção, todos roteirizados pela artista. Com estes lançamentos de altíssimo teor autoral, que misturam música, teatro e cinema, Juliana marca presença na cena cultural brasileira, revelando toda a sua multiplicidade artística.

Ficha técnica

Juliana Calderón Borges de Paula:  letra, melodia, vocais e arranjos   

Marco Antonio França de Albuquerque: piano, sanfona e arranjos 

Gabriel de Mattos Setubal: trompete 

Laiz França: coro 

Rafael Zoli: coro

Mixagem e Masterização: Eduardo Pinheiro

Gestão e estratégia: Rodolfo Lacerda 

Produção executiva: Carolina Castellain 

Assistente de Produção e Conteúdo: Anna Prêta 

Fotógrafo: Cleber Correia 

Maquiadora: Louise Helene 

Assessoria de Imprensa: Build Up Media 

Letra

Na pista gira uma mulher

Andaluz trans lúcida  

Densa alma de memórias sulfúricas

Andaluz trans lúcida

Na pista gira uma mulher

Andaluz trans lúcida  

Densa alma de memórias sulfúricas

Andaluz trans lúcida

Mulher gigante abrasiva fulgurante

Mulher continente leoa tectônica 

Deslizando entre a água e o magma

Abarcando a calma e a fúria

Filha da mordida obscura

Tudo o que nela toca fecunda

Noite e dia rodopia

Num imenso salão de estrelas

Mil coroas na cabeça 

E o corpo devastado

Por vontades de pedra…

Mas mesmo no cimento

Ela não cessa o movimento

Mesmo no cimento

Ela não cessa o movimento

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui