Aceleradora Condor Connect fecha quadriênio com 10 startups graduadas por ano

Aceleradora Condor Connect fecha quadriênio com 10 startups graduadas por anoA Condor Connect, aceleradora de startups para o varejo do Grupo Zonta, divulgou um balanço dos seus quatro anos de existência com 10 startups graduadas por ano, sendo seis investidas.

Inaugurada em 2019, a aceleradora foi idealizada após viagens do presidente do Grupo Zonta, Pedro Joanir Zonta, ao Vale do Silício e Berlim. “Vi brasileiros que precisaram levar suas ideias para fora do país, lidando com a dificuldade dos altos custos de morar fora e, ainda, conciliando tudo isso com os desafios de empreender. Essas visitas despertaram em mim o interesse em gerar oportunidades aqui dentro do Brasil e, hoje, sinto-me realizado em ver esse trabalho ajudando tantas pessoas”.

Segundo a CEO da Condor Connect, Kauana Yrina, o atual cenário da inovação oferece oportunidades para aqueles que desejam inovar, uma vez que os investidores estão interessados em fazer o dinheiro crescer por meio de boas ideias. “Estamos fazendo isso aqui dentro, ajudando as startups a ganharem velocidade de desenvolvimento, ao ponto de hoje termos startups com valuation que ultrapassa os 24 milhões de reais”, destaca.

Aceleradora Condor Connect fecha quadriênio com 10 startups graduadas por anoUma das startups que nasceram e se desenvolveram na Condor Connect é a Vitalizem, que foi disruptiva ao criar a única bandeja bioestimulante para a germinação de sementes do mundo. O produto proporciona grande redução de custos em diversas frentes, além do apelo sustentável. A startup já está no mercado, possui mais de 450 mil mudas plantadas e atende cerca de 50 produtores. “Nossa expectativa é fechar o ano com 2.860 milhões de mudas plantadas, o que representa um grande salto para um curto período de tempo desde que entramos no mercado”, afirma o CEO e fundador da Vitalizem, Gustavo Lemes.

Neste quadriênio, a Condor Connect se destaca pela quantidade expressiva de pitches realizados, ultrapassando a marca de 500. Com mais de 50 empresas atendidas até o momento, a Condor Connect já realizou mais de mil mentorias, contribuindo para a transformação de negócios promissores.

Como metade desses quatro anos foi marcada pela pandemia, a aceleradora precisou se reinventar e colocar em prática todo o discurso que usava com suas startups aceleradas e mentoradas. Assim nasceu o curso de Inovação e Liderança, oferecido gratuitamente em parceria com a Universidade Federal do Paraná (UFPR). O curso já impactou mais de 1.500 alunos e 200 empresas em 25 estados brasileiros e em seis países.

Considerando esses dois anos sem pandemia, foram realizadas 96 palestras, 27 oficinas, 27 workshops e cinco hackathons. Ao todo, foram 163 eventos em 15 cidades do Paraná – uma média de um a cada quatro dias.

A Condor Connect também possui um fundo de investimento próprio, o Fundo Cassola, criado em parceria com a Bossa Nova e que conta com a participação de investidores independentes. Além disso, a aceleradora possui um fundo parceiro de Venture Capital, a Ventiur Smart Capital, que conecta as startups aos investidores independentes.

A aceleradora participa do Instituto DNA de Inovação, que promove a transformação humana nas organizações e trabalha com o propósito de desenvolver todas as ações alinhadas aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Nesses quatro anos de Condor Connect, a prática dentro do ecossistema de inovação levou a aceleradora a desenvolver uma metodologia própria. “Vimos que nem tudo que funcionava no Vale do Silício se aplicava aqui, por isso criamos o método COMO, que envolve conhecimento, atitude, mentalidade e desconstrução do que conhecemos para conseguirmos quebrar os paradigmas da inovação”, afirma Kauana.

Com um histórico de sucesso na formação e impulsionamento de startups, a Condor Connect se consolida com uma referência no cenário empreendedor, ajudando a transformar grandes ideias em realidade.