― Advertisement ―

spot_img
HomeVida e SaúdeMudanças climáticas aumentam risco de câncer de pele

Mudanças climáticas aumentam risco de câncer de pele

Cientistas da organização americana Climate Central analisaram as temperaturas do ar registradas nos últimos 12 meses – 1° de novembro de 2022 a 31 de outubro de 2023 – em todo o mundo e comprovaram que houve um aumento na temperatura global de 1,32°C em comparação aos índices da era pré-industrial (1850-1900). O estudo, publicado no dia 9 de novembro, mostra que a tendência de aumento é impulsionada principalmente pelo excesso de gases de efeito estufa liberados por ações humanas, como a queima de combustíveis fósseis.

Com o planeta mais quente e o Brasil, sendo um país tropical, com regiões convivendo com altas exposições solares praticamente o ano inteiro, aumenta a preocupação com relação ao câncer de pele. A dermatologista Ana Carolina Peters, do COP – Centro de Oncologia do Paraná, destaca a importância da luz solar para saúde, já que é a principal fonte de vitamina D, mas que é fundamental também a proteção contra os raios ultravioleta e consequentemente a prevenção contra o câncer de pele.

De acordo com pesquisa publicada na Cancer Epidemiology Biomarkers & Prevention, os danos causados pelos raios ultravioleta são cumulativos, aumentando o risco de câncer de pele ao longo do tempo. Apenas cinco queimaduras solares intensas entre jovens de 15 a 20 anos podem aumentar o risco de melanoma em 80% e dois outros cânceres de pele, carcinoma de células escamosas e carcinoma basocelular em 68%.

O câncer de pele é o tipo mais comum entre os brasileiros

representando 33% de todos os diagnósticos da doença e, segundo o Instituto Nacional de Câncer – INCA são estimados cerca de 220 mil novos casos, entre 2023 e 2025. Ele é provocado pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele – maior órgão do corpo humano. “A exposição solar é um dos principais fatores para o desenvolvimento da doença, porém existem outros dois agentes, como as características do próprio indivíduo, as peles claras que possuem pouca melanina, possibilitando uma menor proteção aos raios solares, e a predisposição genética”, destaca a dermatologista.

Com o planeta mais quente e o Brasil, sendo um país tropical, com regiões convivendo com altas exposições solares praticamente o ano inteiro, aumenta a preocupação com relação ao câncer de pele.

Os principais tipos de câncer de pele são:

Carcinoma basocelular (CBC): é o tipo mais prevalente e surge mais frequentemente em regiões expostas ao sol, como face, orelhas, pescoço, couro cabeludo, ombros e costas. Tem baixa letalidade e pode ser curado em caso de detecção precoce. Costuma se apresentar como uma pápula vermelha, brilhosa, com uma crosta central, que pode sangrar com facilidade.

Carcinoma espinocelular (CEC): pode se desenvolver em todas as partes do corpo, embora seja mais comum nas áreas expostas ao sol, como orelhas, rosto, couro cabeludo e pescoço. Tem coloração avermelhada e pode se parecer com uma verruga ou uma ferida espessa e descamativa, que não cicatriza.

Melanoma: é o menos frequente dos cânceres da pele, porém tem o mais alto índice de mortalidade. Detectado precocemente, as chances de cura são de mais de 90%. O melanoma costuma ter a aparência de uma pinta ou de um sinal em tons acastanhados ou enegrecidos, que mudam de cor, de formato ou de tamanho.

Os principais fatores de risco para o desenvolvimento do câncer de pele são:

. Ter alguém na família que tem ou já teve câncer da pele;

. Já ter tido muitas queimaduras de sol durante a vida;

. Ter muitas sardas ou pintas pelo corpo;

. Ter a pele muito clara, do tipo que sempre queima no sol e nunca bronzeia;

. Já ter tido câncer da pele;

. Ter mais de 65 anos.

Prevenção é fundamental

Ana Carolina Peters chama a atenção para a importância da prevenção: “O diagnóstico precoce é fundamental para o tratamento do câncer de pele, mas a prevenção ainda é a principal maneira de se evitar novos casos. Por isso é bom evitar exposição indevida e excessiva à luz do sol, ou seja, no período compreendido entre 09h às 15h. Vale, também, ressaltar a importância de se utilizar o protetor solar adequado para cada tipo de pele (no mínimo FPS 30) e fazer uso de acessórios, como chapéus de abas largas, óculos de sol com proteção UV e roupas que exponham o mínimo da pele aos raios do sol. Uma sugestão é usar roupas com proteção UV, o que garante uma proteção a mais”.

O tratamento para o câncer de pele é cirúrgico, porém existem casos específicos, como no carcinoma, que pode ser associado com radioterapia. Depois dos procedimentos, o paciente é acompanhado entre 5 e 10 anos, mas o cuidado será permanente, consultando um dermatologista uma vez ao ano pelo resto da vida.

ABCDE do câncer de pele

Para facilitar a percepção de alterações em manchas e pintas, foi criada uma regra chamada de ABCDE, que consiste na avaliação, pela própria pessoa, de cinco características distintas que podem aparecer na pele. É recomendado pelos dermatologistas para a detecção do melanoma:

A: de assimetria, significa que a lesão possui formato irregular;

B: bordas irregulares, ou seja, os limites externos se mostram irregulares;

C: a lesão possui coloração variada (duas ou mais cores);

D: o diâmetro da lesão sendo maior do que cinco milímetros;

E: evolução (mudança de tamanho, cor e forma).

Fique atento, cuide-se. Observando qualquer alteração na sua pele, procure orientação médica.