quarta-feira, 17 julho 2024
21.5 C
Curitiba

Estudo mostra que a apneia do sono pode afetar a memória

agenciaeinstein

As pausas respiratórias noturnas prejudicam os estágios do sono, que têm uma função essencial no funcionamento do cérebro; pesquisadores reforçam a importância do diagnóstico da doença

Por Gabriela Cupani, da Agência Einstein

Pessoas que sofrem de apneia do sono, um distúrbio que pode causar uma parada da respiração, podem ter mais risco de perda de memória e problemas cognitivos, sugere um estudo recém-apresentado no encontro da Academia Americana de Neurologia, que aconteceu em abril em Denver, Estados Unidos. Segundo os autores, o resultado reforça a importância de diagnosticar corretamente a doença.

A apneia é uma doença caracterizada por pausas respiratórias durante o sono que levam à queda da saturação do oxigênio no sangue e geram microdespertares noturnos. Como alguns desses episódios são de curta duração, muitas vezes a pessoa não tem consciência deles nem se lembra de ter acordado. Mas esses despertares causam a fragmentação do sono.

O estudo apresentado no congresso envolveu 4.257 pessoas, que responderam um questionário do National Health and Nutrition Examination, informando seus dados sobre a qualidade do sono, com questões relacionadas a ronco, pausas respiratórias, sensação de acordar sem ar, e sobre a dificuldade de memória, a concentração ou a confusão mental. Após o ajuste de fatores que podem afetar a memória, como idade e nível educacional, os pesquisadores constataram que aqueles que apresentavam sintomas de apneia tinham 50% mais risco de ter problemas de memória.

Uma das limitações do trabalho é que ele não usou exames de polissonografia para fazer o diagnóstico de apneia. Embora o estudo não aponte uma relação de causa e efeito, a associação entre a pausa respiratória e a cognição faz sentido, dizem os especialistas. “A apneia causa uma alteração da arquitetura do sono, que é a distribuição dos estágios de sono ao longo da noite. O sono fragmentado altera esses estágios, geralmente resultando em redução daqueles mais profundos, que têm um papel importante no funcionamento do cérebro, na formação da memória e na capacidade de aprendizado”, explica a neurologista e especialista em medicina do sono Maira Honorato, do Hospital Israelita Albert Einstein. Além disso, a própria queda da saturação de oxigênio afeta diretamente o funcionamento do cérebro.

A apneia também prejudica outra função importante do sono, que é a ativação de um processo de “limpeza cerebral”, o sistema glinfático, que drena resíduos tóxicos do Sistema Nervoso Central.

A apneia é mais comum em homens

Entre os fatores de risco para o desenvolvimento da apneia estão ser do sexo masculino, idade avançada, obesidade, malformação craniana e retrognatia (a posição do maxilar em que o queixo fica para trás). A doença causa sintomas noturnos (ronco, pausas respiratórias, acordar com falta de ar ou várias vezes à noite) e diurnos (sonolência, cansaço, dificuldade de concentração e problemas de memória).

O tratamento depende da gravidade, da idade do paciente e da presença de fatores como malformação craniana e inclui o uso do CPAP (um dispositivo usado para dormir que gera pressão nas vias aéreas através de uma máscara), cirurgias ortognáticas, sessões de fonoaudiologia e tratamento odontológico, com o uso de uma placa mandibular, além de mudanças no estilo de vida.

Fonte: Agência Einstein

 

Destaque da Semana

Frio pode ampliar estado de depressão?

Países tropicais como o Brasil são reconhecidos por seus...

11 Mitos e verdades sobre cuidados com a pele

  Brasileiros compõem o quarto maior mercado de beleza do...

Santa Marta comemora 18 anos com semana agitada e show nacional de Wesley & Conrado

Um dos bares com música ao vivo mais tradicionais...

Artigos Relacionados

Destaque do Editor

Popular Categories

Mais artigos do autor