terça-feira, 16 julho 2024
11.8 C
Curitiba

Surto de coqueluche na Bolívia e casos em São Paulo exigem esquema de diagnóstico rápido

A coqueluche, também conhecida como ‘tosse comprida’, atingiu 693 pessoas no ano passado na Bolívia, gerando grande preocupação nos estados brasileiros limítrofes, Acre, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Embora territorialmente longe, a cidade de São Paulo registrou 105 casos até o começo do mês de junho deste ano que se somam aos 122 casos do ano passado, felizmente sem nenhum óbito até agora. No Estado, nos últimos 10 anos, foram 5.814 os casos suspeitos, com 1.195 confirmados posteriormente.
Para prevenir um surto a Saúde Pública precisa de duas condições, elevar o índice de vacinação entre o público-alvo dos atuais 45,25% nos menores de um ano (exemplo da cidade de São Paulo) para mais de 80% e universalizar os testes moleculares por amostra única, de resposta extremamente rápida.
O aumento da cobertura vacinal está sendo atingido paulatinamente, depois da redução da divulgação de ‘fake-news’ que afetaram a credibilidade das vacinas no passado recente, afirma o biólogo Guilherme Ambar, da Seegene Brazil, empresa líder na produção de testes para diagnóstico pela técnica PCR.
“O diagnóstico rápido e preciso é necessário para separar casos suspeitos de confirmados”, diz ele, que exemplifica lembrando que a certa altura do ano passado o Brasil tinha 842 casos suspeitos, dos quais acabaram confirmados apenas 87.
Como o tratamento da infecção é feito com antibióticos específicos, lembra ele, é vital identificar se efetivamente o paciente tem ou não a coqueluche.

Sintomas são marcantes
A coqueluche é uma infecção respiratória causada por bactéria (Bordetella pertussis), transmissível pela tosse, espirro e até pela fala e extremamente perigosa em crianças de até um ano, faixa na qual se concentram os casos fatais.
O sintoma principal é marcante, tosse leve e seca que passa a severa e descontrolada, chegando a ser tão intensa que pode comprometer a respiração, o que exige a administração de oxigênio. Cansaço extremo e vômitos também podem se fazer presentes durante as seis a dez semanas que pode durar a doença.
A cobertura vacinal que já foi muito grande no Brasil é atingida pela administração às crianças de três doses da vacina amplamente disponível na rede pública e muito eficaz. Uma vez vacinada, a criança está protegida não só da doença em si, como das complicações da coqueluche, entre as quais infecção do ouvido, pneumonia, parada respiratória, desidratação e pior, convulsão, lesão cerebral e morte.

Destaque da Semana

Curso de Palhaço

O Projeto Plantão Sorriso, trupe de palhaços que leva...

Construtora Piemonte homenageia o artista curitibano Poty Lazzarotto

o No ano que comemora 25 anos, a Incorporadora e Construtora Piemonte anuncia...

Marina Lima traz show inédito a Curitiba

Apresentação acontece 17 de agosto no Teatro Positivo. Ingressos...

Chave principal do torneio internacional BT 200 de Toledo (PR) começa nesta sexta-feira

1º dia será da primeira rodada com grandes nomes...

Estudo revela: crianças que gostam de dinossauros têm melhor desempenho escolar

Avanços podem ser notados em disciplinas como Ciências e...

Artigos Relacionados

Destaque do Editor

Popular Categories