Saiba como tratar as rugas e flacidez da pele do pescoço

Hoje em dia, quando se fala em envelhecimento, é comum associar o tema às marcas de expressão que surgem no rosto. Isso acontece porque a Indústria da Estética está cada vez mais desenvolvida e atuante nessa região, com equipamentos e dermocosméticos eficazes.  Até aí, nenhuma novidade, porém, as marcas do tempo também afetam outras partes importantes, mas esquecidas, como o pescoço, por exemplo, que precisa e merece cuidados específicos.

O processo de envelhecimento do pescoço é semelhante ao que ocorre em todas as regiões do corpo. “É natural que a busca pela aparência jovial e saudável comece no rosto, contudo, no pescoço, região que fica exposta aos raios ultravioleta, também há perda de colágeno, elasticidade, diminuição da espessura da pele, ressecamento, aumento da proliferação de rugas etc.”, explica a dermatologista Dra. Claudia Marçal, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

De acordo com a dermatologista, todos esses problemas podem ser evitados com cuidados básicos diários, principalmente a partir dos trinta anos, quando os primeiros sinais aparecem. Desta forma, o mesmo protetor solar e hidratante utilizados na face devem ser aplicados no pescoço, o que ajudará a evitar o surgimento precoce dos sinais do envelhecimento e manter uma pele exuberante e harmônica.

Dra. Claudia Marçal destaca também que a flacidez da pele do pescoço, tipicamente conhecida por papada, é também um sinal que assusta homens e mulheres, não necessariamente relacionados aos malefícios do tempo. Nesse caso, uma das maneiras para evitar esse quadro é fugir do efeito da acumulação de gordura no pescoço, mais propícia a pessoas que engordam e emagrecem com frequência.

Para quem não investiu na prevenção desses sinais, pode usufruir de técnicas e tecnologias disponíveis. As alternativas para combater o envelhecimento do rosto são, praticamente, as mesmas indicadas para o rejuvenescimento do pescoço, tanto em relação à perda da elastina, quanto no que diz respeito a rugas e manchas. O fortalecimento da musculatura por meio da ginástica facial é uma das alternativas para a região do pescoço. Mas, o paciente que busca resultados potentes e rápidos, pode usufruir das seguintes técnicas, de acordo com a especialista:

  • Toxina botulínica

“Uma boa alternativa para tratar as rugas que se formam na região dos colares cervicais e flacidez das bandas do platisma (músculo subcutâneo do pescoço)”, explica a dermatologista.

  • Microagulhamento de ouro com radiofrequência associado a drug delivery

“Outra boa solução é o microagulhamento de ouro com radiofrequência associado a drug delivery com Vitamina C, Ácido Hialurônico e Ácido Retinóico. Aproveitando as portas de entrada que, pela penetração das microagulhas de ouro geram uma zona de coagulação por toda a sua extensão, o tratamento é associado à radiofrequência causando uma injúria indolor local e o aquecimento da derme e hipoderme. Isso ocorre sem dano de ablação epidérmico e dérmico, porém remodelando todo o colágeno e promovendo a redensificação e elasticidade do local da aplicação. As sessões são três em média, com intervalo de trinta dias”, destaca a Dra. Claudia Marçal.

  • Radiofrequência tripolar ou hexapolar

“Com sessões semanais para contração das fibras do colágeno por aquecimento tecidual estratificado de derme e hipoderme, promovendo a retração da pele do local e melhora do turgor, contorno da estrutura facial e cervical e aumento da densidade.”

  • Radiofrequência fracionada

A especialista explica: “Funciona através de ondas eletromagnéticas que conseguem atingir a derme, promovendo reorganização das fibras de ancoragem e sustentação com estímulo dos fibroblastos. As ponteiras contêm 112 eletrodos empregando tecnologia 3 Deep. As colunas de eletrodos criam uma fase única de radiofrequência. Realizadas três sessões, sendo cada uma a cada trinta dias.”

  • Ultrassom micro

“Outra excelente forma de tratamento para o pescoço é a utilização da tecnologia de ultrassom microfocado (aprovado pelo FDA para lifting de rosto, pescoço e colo), atua nas estruturas profundas através da energia direcionada do ultrassom sobre o tecido do SMAS (tecido conectivo da face intimamente interligado às bolsas de gordura) com temperatura próxima a 65 graus. Atinge a pele atuando na superfície e atingindo 3 mm e 4.5 mm, provocando contração do colágeno e do músculo. O resultado surge após três meses da sessão”, indica. “Pode ser associado ou realizado separadamente em uma mesma sessão com o CO2 fracionado com radiofrequência na mesma ponteira, atingindo em média 1.5 mm e tratando assim todas as camadas da pele.”

  • Laser de CO2

“O laser de CO2 é ainda considerado o Gold Standard para rejuvenescimento intenso, pois através de colunas de coagulação, promove uma injúria modulada nas fibras do colágeno realmente promovendo neocolagênese. Pode ser feito em única sessão ou até três com intervalos de sessenta dias com efeito máximo de rejuvenescimento”, sugere a Dra. Claudia Marçal. “As técnicas podem ser combinadas, devem ser escolhidas pelo dermatologista, levando em consideração a idade época do ano, necessidade e fototipo do paciente em questão.”

  • I Lipo

“Outro tratamento interessante e que pode ser combinado com a radiofrequência para diminuir a papada de gordura submentoniana é a utilização da tecnologia do I Lipo que, através dos PADS que emitem a energia do laser de baixa intensidade por meio de um sinal químico para as células gordurosas, transformam triglicérides em ácido graxo e glicerol, eliminando assim a gordura localizada”, finaliza a dermatologista.

Fonte: Dra. Claudia Marçal

Dermatologista da Clínica de Dermatologia Espaço Cariz, com especialização pela Associação Médica Brasileira (AMB), membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e membro da American Academy of Dermatology (AAD), CME (Continuing Medical Education) na Harvard Medical School.  maria.claudia@holdingcomunicacoes.com.br