Entenda por que as cores determinam a ordem de atendimento em hospitais e prontos-socorros

Adotar um protocolo para priorizar o atendimento dos pacientes é uma prática adaptada das guerras, quando militares costumavam fazer triagem dos soldados feridos

Entenda por que as cores determinam a ordem de atendimento em hospitais e prontos-socorros
Protocolo de Manchester, também conhecido como Sistema de Triagem de Manchester (STM), classifica os casos por meio de cores
Freepik

Você sabia que existe um protocolo internacional por trás daquela pulseira colorida que o paciente recebe quando entra em atendimento em hospitais e prontos-socorros? O Protocolo de Manchester, também conhecido como Sistema de Triagem de Manchester (STM), é uma metodologia de classificação de risco por meio de cores e tempo de espera.

O propósito deste protocolo é identificar a gravidade dos casos de urgência e emergência médica, priorizando o atendimento imediato de pessoas em estado crítico. Quem faz essa avaliação é um profissional de saúde habilitado, presente no local, que avalia os sinais vitais, lesões, intensidade da dor e outros sintomas relatados pelo paciente.

Esses dados são avaliados e categorizados a partir do STM, método criado na Inglaterra, na cidade de Manchester, pelo médico e professor Kevin Mackway-Jones e sua equipe, na década de 90. No Brasil, foi preconizado pelo Ministério da Saúde e passou a fazer parte das políticas de saúde nos estados a partir de 2008.

Da guerra para a gestão cotidiana

Criar procedimentos para priorizar o atendimento médico de pacientes é uma prática adaptada das guerras, em que militares costumavam fazer triagem dos soldados feridos no campo de batalha.

“Porém, se na guerra a ordem de atendimento estava 100% focada na sobrevivência, nos hospitais modernos ela considera não apenas o risco de morte, mas também a qualidade do serviço prestado, gestão de equipes, legislação trabalhista, direito dos pacientes e até do consumidor”, explica Henrique Mendes, sócio-fundador da startup brasileira Global Health Monitor (GHM), que desenvolve tecnologias de gestão inteligente na área da saúde.

Segundo ele, o Protocolo de Manchester, usado tanto em hospitais públicos quanto privados, é um dos primeiros passos da gestão do atendimento ao cidadão na área da saúde. “O STM é essencial para que casos graves sejam encaminhados mais rapidamente. Porém, ele não é suficiente para organizar toda a demanda da saúde, por isso, mesmo seguindo o protocolo, ainda assim existe demora, falha no atendimento e avaliações negativas por parte dos pacientes”, explica.

Um estudo realizado pelo Conselho Nacional de Medicina e o Datafolha em 2018 revelou que o motivo de maior insatisfação relatado por usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), por exemplo, são as filas de espera, que podem chegar a 12 meses.

“Existe uma grande necessidade de encontrar soluções para o problema dessa alta demanda, por isso estamos desenvolvendo tecnologias para catalisar a gestão dos atendimentos, em especial os de casos não urgentes, que muitas vezes vão parar nos prontos-socorros e prontos-atendimentos sem necessidade, colapsando o sistema”, conta Mendes.

Ele reforça que, quando o assunto é priorizar a vida, integrar tecnologia aos sistemas de gestão de saúde dá celeridade aos processos. “Isso já é possível por meio da inteligência artificial e automatização de protocolos, um elo de ligação entre paciente, equipe médica e políticas de governança. Muito em breve teremos novidades nessa área”, revela o sócio-fundador da GHM.

Entenda o significado das cores

O Protocolo de Manchester utiliza as cores para classificar os casos e facilitar a ação da equipe médica, além de agilizar o fluxo de atendimento já no primeiro contato com a recepção.

A cor vermelha indica emergência e requer atendimento imediato, pois representa risco de morte. Já a cor laranja significa muito urgente, além de estipular um tempo de espera máxima de dez minutos.

A pulseira amarela representa urgência e espera de até 60 minutos. As de cor verde e azul são utilizadas em casos pouco urgentes e significam um tempo de espera maior, de até 120 minutos. Indicam atendimento não prioritário, sem risco de morte.

Quando avaliado na cor azul, por exemplo, o paciente pode buscar auxílio de baixa complexidade, em unidades de saúde, sem sobrecarregar os centros de alta complexidade, como no caso de emergência hospitalar.

 

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui