Alta de quase 9% em incêndios estruturais alertam empresas sobre seguro empresarial

Seguro Empresarial – Crédito – standret no Freepik

Mesmo não obrigatório, o seguro empresarial seguirá indispensável este ano. Somente na maior rede de corretoras de seguros do país, o crescimento chega a mais de 17%.

Desde o início deste ano, as empresas já ligaram o alerta para a contratação do seguro empresarial. Isso porque dados divulgados demonstraram um crescente aumento de casos de danos estruturais. O Instituto Sprinkler Brasil registrou uma alta de 8,9% de incêndios principalmente na área comercial (19,2%), em local de reunião de público (15%), depósitos (12,8%) e indústrias (10,3%). Sejam eles ocasionados por falta de manutenção, treinamento de equipes, qualidade de equipamentos, erros de projetos e de instalação.

Este cenário fez com que o interesse e a contratação do seguro empresarial também crescesse. Afinal, atualmente no Brasil, são mais de 22 milhões de empresas ativas. E, com isso, o seguro empresarial obteve um dos melhores desempenhos dentro do segmento de danos e responsabilidades em 2023. Voltado para pequenas, médias e grandes empresas, o seguro empresarial é o produto de seguro destinado a pessoas jurídicas para proteger o negócio de perdas decorrentes de incêndios, roubos, eventos climáticos, danos elétricos, entre outros.

Só na maior rede de corretoras de seguros do país, Lojacorr, o aumento do seguro empresarial já marca um crescimento de 17,2% de janeiro a abril de 2024. O mesmo cenário, de modo geral, é visto no setor. Segundo dados da Susep (Superintendência de Seguros Privados), de janeiro a outubro de 2023, a arrecadação foi de R$ 3,2 bilhões, crescimento de 19,6% na comparação com o mesmo período de 2022.

Segundo Luiz Longobardi Junior. Diretor de Mercado, Comercial e Marketing (CCO) da Lojacorr, esse aumento é justamente pela importância dessa cobertura. “As empresas estão muito mais atentas e preocupadas com os desastres que podem ocorrer e as consequências que a falta de um seguro como o empresarial podem causar. Afinal, a empresa que está sem a cobertura pode arcar com gastos milionários e outras intercorrências que não estavam previstas no orçamento e no planejamento estratégico”, aponta.

Apesar de não se tratar de um seguro obrigatório no país, Longobardi Junior explica ainda que o seguro tem por objetivo preservar a saúde financeira das organizações e o corretor é o ponto de partida para dar esse suporte. “Primeiramente, os empresários precisam entender a realidade em que seu negócio está inserido para ver, de fato, o seguro ideal. E contar com um corretor de seguros que possa dar todo o suporte e personalizar o seguro com as melhores opções para a realidade daquela empresa”, destaca.

De acordo com o corretor de seguros Marcelo Atauri Cardelli, proprietário da Mac Pointer Corretora de Seguros desde 1994, o seguro empresarial é visto como um investimento primordial. Isso porque garante a integridade financeira das empresas de qualquer tamanho, caso ocorra um evento que possa colocar em risco a continuidade do negócio. Entretanto, afirma que esse é um seguro bastante complexo, já que tem coberturas específicas e especiais.

Desse modo, entre as coberturas estão, como exemplo, danos elétricos; responsabilidades civis; danos morais; furtos; vidros; vazamentos; e serviços diversos como chaveiro, reparos em geral. “Definitivamente, as coberturas estão entre as principais dúvidas dos segurados. Por isso, é tão importante conhecer bem o produto para oferecer as opções mais adequadas ao empresário. Inclusive, o ramo está crescendo bastante, o que faz com que o corretor precise estar cada vez mais preparado para essa demanda. Conhecimento e empatia do corretor de seguros são imprescindíveis para amparar esse aumento de contratações de apólices”, explica.