quarta-feira, 17 julho 2024
14.7 C
Curitiba

Marco Legal para a Indústria de Jogos Eletrônicos

Nova Lei determina que serão aplicáveis às empresas desenvolvedoras de jogos eletrônicos os benefícios da Lei do Audiovisual e da Lei Rouanet

A indústria de jogos eletrônicos vem crescendo exponencialmente nos últimos anos, principalmente em países como China, Japão e Estados Unidos, que sediam as maiores empresas desenvolvedoras de jogos do mundo.

No Brasil o número de empresas que buscam desenvolver esse tipo de tecnologia também tem crescido significativamente, surgindo, consequentemente, a necessidade de regulamentação específica para esse setor.

Em maio foi sancionada a Lei 14.852/2024, que cria o marco legal para a indústria de jogos eletrônicos e regulamenta a fabricação, a importação, a comercialização, o desenvolvimento e o uso comercial dos jogos. Além disso, apresenta medidas de fomento ao ambiente de negócios e ao aumento de capital para investimento no empreendedorismo inovador.

Consideram-se empresas desenvolvedoras as organizações empresariais e societárias que têm por objetivo a criação de jogos eletrônicos.

Para os fins desta Lei, considera-se jogo eletrônico: (i) a obra audiovisual interativa desenvolvida como programa de computador em que as imagens são alteradas em tempo real a partir de ações e interações do jogador com a interface, (ii) o dispositivo central e acessórios, para uso privado ou comercial, especialmente dedicados a executar jogos eletrônicos e (iii) o software para uso como aplicativo de celular e/ou página de internet, jogos de console de videogames e jogos em realidade virtual, realidade aumentada, realidade mista e realidade estendida, consumidos por download ou por streaming.

A nova Lei determina que serão aplicáveis às empresas desenvolvedoras de jogos eletrônicos os benefícios da Lei do Audiovisual e da Lei Rouanet, passando a considerar o investimento em desenvolvimento de jogos eletrônicos como investimento em pesquisa, desenvolvimento, inovação e cultura.

Enquadram-se na modalidade de tratamento especial ao fomento de jogos eletrônicos o empresário individual, as sociedades empresárias, as sociedades cooperativas, as sociedades simples e os MEIs, com receita bruta de até R$ 16.000.000,00 no ano-calendário anterior, ou de R$ 1.333.334,00 multiplicado pelo número de meses de atividade do ano-calendário anterior, quando inferior a 12 meses.

Para se enquadrar na modalidade especial de fomento é necessária a utilização de modelos de negócios inovadores para a geração de produtos ou serviços, ou ainda, o enquadramento no regime especial Inova Simples (programa que concede tratamento diferenciados às “empresas de inovação”).

Ainda com vistas a fomentar a inovação no setor de empresas desenvolvedoras de jogos eletrônicos, a Lei determina que o Poder Público regulamentará o desembaraço aduaneiro e as taxas de importação incidentes para o desenvolvimento destes produtos.

De acordo com a deputada Leila Barros, relatora do projeto de lei que cria o marco legal, a regulamentação dessa atividade é fundamental para fomentar o crescimento do setor, a criação de empregos, combater ilícitos, diminuir a carga tributária, bem como aumentar a arrecadação do governo e dar visibilidade e segurança jurídica para a indústria dos games.

AUTORIA: Bianca Assumpção Wosch – advogada do escritório Alceu Machado, Sperb & Bonat Cordeiro Advocacia na área do Direito Civil e Empresarial.

Destaque da Semana

TCP entrega 94 títulos de inscrição de embarcações para moradores da região da Baía de Paranaguá

Iniciativa teve origem em reuniões periódicas realizadas com comunidades...

Treino intenso de musculação ajuda a preservar força em idosos

Em pesquisa dinamarquesa, programa de um ano de exercícios...

Alto da XV Mall recebe a CWB Expo Colecionismo neste fim de semana

Nos dias 13 e 14 de julho, a praça...

Artigos Relacionados

Destaque do Editor

Popular Categories

Mais artigos do autor