Marcapassos, stents, próteses, itens utilizados em Hemodiálise e no Teste do Pezinho ficam de fora de lista de produtos isentos de impostos e vão pagar mesmos tributos que armas de fogo

  

ABIIS entrega para líderes de bancadas na Câmara proposta de Emenda que inclui dispositivos médicos e de diagnóstico na Reforma Tributária. Se produtos perderem isenção fiscal, impacto econômico pode chegar a 30%

A Aliança Brasileira da Indústria Inovadora em Saúde (ABIIS) – que reúne empresas de dispositivos médicos e diagnóstico – realiza, esta semana, na Câmara dos Deputados, uma grande peregrinação junto aos líderes de bancadas para insistir que produtos cruciais para a saúde sejam mantidos com as atuais isenções e reduções de impostos. Ficaram de fora itens como marcapassos; stents cardíacos; sondas, cânulas, catéteres; próteses articulares e aparelhos para fraturas; implantes osseointegráveis; itens utilizados em hemodiálise; espectrômetro de massa (utilizado no Teste do Pezinho); reagentes para diagnóstico; meios de cultura; luvas, seringas e agulhas, entre outros. Com a eliminação ou redução das isenções que existem hoje de ICMS, PIS, COFINS, milhares de cirurgias e procedimentos cruciais para a população estarão em risco.

“O PLP 68/24 promove o aumento de impostos para dispositivos médicos hoje isentos. Só na Cardiologia o impacto econômico pode chegar a 30%. Armas vão pagar o mesmo imposto que produtos vitais para os brasileiros. É completamente incoerente”, afirma o presidente executivo da ABIIS, José Márcio Cerqueira Gomes.

Na Emenda proposta aos parlamentares, a ABIIS pede a inclusão de itens na lista de isenção de 100% e na lista de redução de 60%. “E ainda assim, nosso pedido representa apenas 0,001% de tudo o que está registrado na Anvisa como dispositivo médico”, acrescenta o presidente da Aliança. Os dispositivos médicos são amplamente utilizados tanto pelo Sistema Único de Saúde (SUS) quanto pela saúde suplementar. Em 2023, estima-se que mais de 5,7 milhões de cirurgias foram realizadas apenas no SUS, todas utilizando algum dispositivo médico.

Há 25 anos, o setor de dispositivos médicos conta com tratamentos tributários diferenciados, fruto de isenções e reduções fiscais relativas ao ICMS, IPI e PIS/COFINS. Tal tratamento busca promover valores protegidos pela Constituição Federal ao garantir o acesso a produtos, tratamentos e tecnologias essenciais para saúde da população. José Márcio Cerqueira Gomes lembra que “o impacto dessa decisão será devastador, pois o aumento na carga tributária resultará em reajustes de preços, que serão inevitavelmente repassados para hospitais e operadoras de saúde e, infelizmente, no final quem pagará por essa conta será a população brasileira, que deixará de ter acesso a tecnologias médicas de ponta”.

Destaque da Semana

Febracis promove o treinamento Business High Perfomance

Com teoria e atividades práticas, o curso presencial utiliza...

Disney Magic Run Curitiba já passa de 5 mil inscritos

Número foi atingido nas primeiras 8 horas de venda,...

Iroko Trio celebra a diversidade da música latina

Composto por Carla Rincón (violino), Elodie Bouny (violão) e...

Shopping oferece diversas atrações na temporada de férias

Catuaí Maringá abre temporada de férias...

Artigos Relacionados

Destaque do Editor