Infectologistas fazem alerta para defender uso das vacinas para erradicar doenças

Na semana do Dia Nacional da Imunização, celebrado em 9 de junho, a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) faz um alerta para que a população siga atentamente o calendário de vacinação do país e mantenha sua carteirinha em dia. Para a entidade a influência dos movimentos antivacinas é preocupante e causa um retrocesso em termos de saúde pública no mundo todo.

A coordenadora do Comitê Científico de Imunizações da SBI, a infectologista Lessandra Michelin, lembra que grandes avanços, como o fim da varíola, só foram possíveis graças à vacinação em massa. Outra vitória importante foi a do Brasil e de países da América que conseguiram em1994 o Certificado Internacional de Erradicação da Poliomielite (paralisia infantil).

Segundo ela, a erradicação de doenças é possível por meio da vacinação, desde que haja um esforço mundial para isso. No caso da poliomielite, por exemplo, a vacinação só continua acontecendo porque a doença segue sendo transmitida em alguns países, com o detalhe de que hoje o contágio das doenças se dá de forma ainda mais rápida por conta da globalização e do acesso ao transporte aéreo.

Correntes antivacinas

A médica ainda faz um alerta para que as pessoas não se deixem influenciar pelas correntes antivacinas que se espalham pelo mundo, pois elas usam como fundamento de argumentação o medo e o desconhecimento, além de situações políticas e religiosas. A infectologista chama a atenção para o fato de nenhuma corrente apresentar argumentos científicos robustos nas objeções que faz contra o uso de vacinas. Hoje as vacinas são feita com modernas tecnologias que garantem altíssimos padrões de segurança.

Ela ressalta que a influência das correntes antivacinas já se reflete no comportamento da população que deixa de vacinar os filhos e colabora para ressurgimento de doenças que estavam controladas como o sarampo nos EUA e países da Europa, e a caxumba no Brasil.

“Quem luta contra vacina não tem contato com milhares de pessoas que nos procuram em hospitais e clínicas com doenças graves que poderiam ter sido prevenidas, com pacientes que morrem por não terem tido a chance de evitar a doença”, afirma a infectologista.

Todas as vacinas recomendadas nos calendários nacionais específicos para as diversas faixas etárias são imprescindíveis, pois foram selecionadas devido a importância para proteger a população contra as doenças.

Veja o calendário de vacinação do Ministério da Saúde no endereçohttp://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/leia-mais-o-ministerio/197-secretaria-svs/13600-calendario-nacional-de-vacinacao

<imprensa@infectologia.org.br>

calendario-nacional-vacinacao-atualizado-2016-edit

1 Comentário

  1. Vale lembrar que há vacinas disponíveis na rede pública e vacinas disponíveis na rede privada. A população brasileira está envelhecendo e cada vez mais precisaremos pensar na prevenção de doença neste público. Na dúvida, o melhor é consultar o médico.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.