Al Gore organiza evento sobre mudanças climáticas e saúde para substituir cúpula cancelada pela administração Trump

Esta semana, cientistas, epidemiologistas e profissionais de saúde de todo o mundo deveriam se reunir na cidade de Atlanta, nos Unidos para discutir a ameaça crescente das mudanças climáticas sobre a saúde pública. Mas na última hora, a adminstração Trump resolveu cancelar o evento.  Em resposta, o ex-vice-presidente Al Gore, junto com o Instituto de Saúde Global de Harvard, a Associação Americana de Saúde Pública e o Climate Reality Project, entre outros, decidiram organizar um evento paralelo, o Encontro sobre Clima e Saúde, que acontece nesta quinta, 16 de fevereiro.

“Hoje enfrentamos um clima político desafiador, mas a crise climática não deve ser política. Não é apenas a maior crise existencial que enfrentamos: ela também está causando uma emergência de saúde global, onde as apostas são de vida ou morte”, afirma  Al Gore, ex-Vice Presidente dos Estados Unidos e fundador do Climate Reality Project. Devido à urgência dessas ameaças, vários parceiros e eu decidimos organizar o Encontro de Clima e Saúde para preencher o vazio deixado pela Cúpula sobre Clima e Saúde, originalmente organizada pelo Centers for Disease Control e Prevention, do governo, que foi cancelada abruptamente no mês passado”.

Entre 2030 e 2050, as alterações climáticas deverão causar cerca de 250 000 mortes adicionais por ano, provenientes da malnutrição, da malária, da diarreia e do stress térmico. Os custos diretos desses danos para a saúde (isto é, excluindo setores determinantes para a saúde, como agricultura, água e saneamento), são estimados entre US$ 2-4 bilhões / ano até 2030, segundo a Organização Mundial de Saúde.

“As alterações climáticas e a poluição do ar causada pela queima de combustíveis fósseis são as principais ameaças à saúde do século XXI”,  destaca Frederica Perera, PhD, Professora da Columbia University e Diretora do Centro Columbia para a Saúde Ambiental Infantil.  “Mas são as crianças pequenas que sofrem mais com as alterações climáticas e a poluição do ar oriunda da combustão de carvão, petróleo, gasolina, diesel e gás natural.  A ciência é clara: reduzir nossa dependência dos combustíveis fósseis traz benefícios econômicos e para a saúde altamente significativos para crianças em todo o mundo, tanto imediatamente quanto no futuro. Sabendo disso, temos um imperativo moral de promulgar políticas de energia e clima centradas na criança para proteger este grupo mais vulnerável”, alerta.

Tendo Al Gore como anfitrião, a reunião será uma plataforma para discutir a interseção entre as mudanças climáticas e a saúde pública e contará com a participação do diretor executivo da Lancet’s Countdown, Nick Watts, o presidente e fundador da Health Care Without Harm, Gary Cohe, e Diarmid Campell-Lendrum, da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Margaret Chan, diretora da Organização Mundial de Saúde, pede uma maior colaboração entre as organizações de saúde do mundo face ao ambiente político desafiador nos Estados Unidos:  “Em um mundo pós-verdade e pós-fato, as opiniões que apelam para emoções e crenças pessoais são mais influentes do que evidências objetivas baseadas em Ciência. Precisamos defender a ciência e os fatos como nunca antes.”

O evento terá transmissão online: https://www.climaterealityproject.org/health

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.