Tecpar analisa e atesta segurança de embalagens para o setor de alimentos

Desde o início da pandemia, o Centro de Tecnologia em Saúde e Meio Ambiente do Tecpar realizou cerca de 270 ensaios. Além de proteger durante o transporte ou manuseio, a embalagem representa uma barreira física contar o ar, luz, umidade, sujidades e micro-organismos.
 Tecpar analisa e atesta segurança de embalagens para o setor de alimentos
Para apoiar o desenvolvimento da indústria de embalagens e da indústria alimentícia no País, o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) realiza ensaios que atestam a segurança alimentar aos produtos que utilizam embalagens plásticas. Devido ao alto consumo de alimentos por delivery e fast food, o setor de embalagens foi um dos que mais cresceu durante a pandemia.
Segundo estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o valor bruto da produção brasileira de embalagens teve um aumento de 22,3% em relação a 2019. Os plásticos representam a maior participação, correspondente a 39,6% do total.
Desde o início da pandemia, os técnicos do Centro de Tecnologia em Saúde e Meio Ambiente do Tecpar fizeram cerca de 270 ensaios de embalagens plásticas ou de celulose para empresas de todo o Paraná.
O diretor-presidente do instituto, Jorge Callado, destaca que este tipo de ensaio é solicitado por empresas que fabricam ou que fornecem alimentos em embalagens plásticas. “Este serviço de apoio que o Tecpar oferece à indústria avalia a segurança e a qualidade de produtos que estão sendo disponibilizados ao mercado. Mais do que atender a uma exigência técnica, é também uma demonstração de respeito ao consumidor e cuidado com a saúde pública”, afirma Jorge Callado.
EMBALAGEM – Além de proteger de choques mecânicos durante o transporte ou manuseio, a embalagem representa uma barreira física que protege o alimento do ar, luz, umidade, sujidades e micro-organismos. O plástico mais utilizado para embalagens de comida e talheres é o polipropileno, um material reciclável, que pode ser aquecido no micro-ondas ou congelado, sendo ideal para o delivery.
“Quando destinadas ao contato com alimentos, as embalagens podem transferir substâncias que representam risco à saúde, por isso a importância de assegurar a qualidade através de ensaios laboratoriais”, explica a gerente do Centro de Tecnologia em Saúde e Meio Ambiente do Tecpar, Daniele Adão.
NORMAS – No Brasil, a indústria de alimentos e bebidas precisa atender requisitos mínimos referentes a embalagens, definidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). As resoluções dispõem sobre migração em materiais, embalagens e equipamentos plásticos destinados a entrar em contato com alimentos (RDC 51/2010 e 52/2010).
A migração é o termo técnico que designa a passagem de substâncias presentes nas embalagens plásticas aos alimentos. Com base na normativa da Anvisa, que impõe o limite máximo de migração permitido, os técnicos do Tecpar balizam os ensaios que definem, por exemplo, quais soluções melhor simulam o contato entre o alimento e a embalagem.
LONGA PARCERIA – Uma das empresas a contratar a análise migração de embalagens de alimentos recentemente foi a Plast &Pack. Segundo a gerente de qualidade da organização, Tenille Bosso, este tipo de ensaio analisa a qualidade de embalagens para verificar se estão em conformidade com regulamentações nacionais e internacionais.
“O objetivo é limitar a concentração das substâncias que irão compor as embalagens e estimar o grau de contaminação dos alimentos com estas substâncias”, diz Tenille.
Localizada em Pinhais, na Grande Curitiba, a Plast &Pack desenvolve soluções na produção de embalagens e é cliente do instituto há nove anos. Além de utilizar serviços laboratoriais, já foi certificada pelo Tecpar com o selo de qualidade ISO 9001.
“Os principais aspectos que diferenciam o Tecpar são a qualidade do serviço, o apoio técnico e a proximidade com a equipe do laboratório, que sempre está em contato e à disposição para esclarecer dúvidas”, diz a gerente.
REFERÊNCIA – Os laboratórios do Tecpar realizam ensaios em embalagens plásticas e de celulose acreditados pela Coordenação Geral de Acreditação do Inmetro e estão habilitados pela Rede Brasileira de Laboratórios Analíticos em Saúde (Reblas) da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Últimas notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui